Epiprocare: para cuidar da vida

A Epigenética certamente apresentará uma revolução na compreensão do conceito das pessoas em relação à sua saúde.

Aristoteles (384-322 A.C.) desenvolveu, para compreender a formação dos seres vivos, o modelo da Epigênesis (ἐπιγένησις). Da matéria amorfa se formam as estruturas específicas de um ser vivo. O meio ambiente tem aqui um papel central.

Como isso acontece e o que isso significa para nós é explicado cada vez melhor hoje pela explosão de novas descobertas científicas da Biologia e da Medicina.

O homem chegará cada vez mais à conclusão de que ele não é uma vítima da idade, indefeso de seus rígidos mecanismos das doações genéticas. Em vez disso, a epigenética nos ensina que os genes humanos são capazes de responder à ação de fatores externos, por exemplo, adaptando sua regulação, o que também pode significar uma adaptação do organismo. Assim, Fatores externos incluem alimentos, clima, estresse, raios UV, bactérias, toxinas, vírus, produtos químicos, mas também outras substâncias que ocorrem naturalmente, como Medicamento.

Dessa forma, junto com todos os fatores externos que atuam sobre ele, nosso organismo forma uma entidade com o ambiente que determina sua saúde, qualidade de vida e tempo de vida. Felizmente, os humanos são, em princípio, capazes de determinar conscientemente a influência desses fatores externos em seus organismos e genes. O que ele deve prestar atenção aqui é que a EPIGENÉTICA é quem o ensinará, pois ela é que explora essas conexões entre influências ambientais e regulação de genes.

EPIPROCARE se propõe a tarefa de trazer esses conhecimentos importantes da epigenética o mais rápido possível para a aplicação em benefício do ser humano.

Assim como a EPIGENÉTICA trabalha entre influências ambientais externas e a regulação de genes, EPIPROCARE irá atuar entre os achados da pesquisa científica e sua aplicação clínica, atuando diretamente na qualidade de vida humana. Dessa maneira, os seres humanos devem poder testar e melhorar sua saúde, e até mesmo prevenir e combater doenças.

Para esse fim, a EPIPROCARE foi fundada por biólogos e médicos de renome internacional das principais universidades, com mais de 20 anos de experiência no campo da Epigenética e da Urologia clínica.

A primeira aplicação que fornece EPIPROCARE é a determinação científica da idade biológica da pessoa para mostrar maneiras de ter um impacto positivo em seu processo de envelhecimento e em sua qualidade de vida em pacientes idosos.

Outras descobertas e determinações científicas no diagnóstico e prognóstico de neoplasias urológicas, como o câncer da próstata e bexiga, estão previstas.

EPIPROCARE

Um novo método de medição de alterações epigenéticas, cientificamente testado, comprovado, publicado e patenteado, que pela primeira vez pode detectar alterações epigenéticas em amostras clínicas, as quais são superiores a alterações genéticas, com maior precisão.

Este é o caso, por exemplo, da aplicação deste método para avaliar a idade biológica e modificações específicas dos tumores. Esse método de medição é a padronização idiolocal da PCR (Reação da Polimerase em Cadeia), específica para a metilação e que eleva o único método epigenético existente a uma aplicação clínica: a PCR específica para a metilação, para um novo nível nos diagnósticos atuais. Essa tecnologia permite a transferência bem-sucedida do medicamento personalizado para apoiar e ajudar qualquer paciente individualmente, pois pela primeira vez, com base na tecnologia exclusiva do EPIPROCARE, é possível medir comparativamente amostras de tumores e amostras de indivíduos idosos com genética alterada.

Diretores Responsáveis

Prof. Dr.
Marcelo Bendhack
Presidente

Marcelo Bendhack Mestre e Doutor em Urologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR/1999). Pós-Doutorado em Uro-Oncologia pela Universidade de Düsseldorf, Alemanha (2001). Especialista pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) e Presidente da Sociedade Latino-Americana de Uro-Oncologia (UROLA). Membro do conselho na Federação Mundial de Uro-Oncologia (WUOF) e do corpo clínico do Hospital Nossa Senhora das Graças (Curitiba/PR) e do Hospital Santa Catarina (São Paulo/SP).


Prof. Dr.
Simeon Santourlidis
Vice-Presidente

Trabalhos com pesquisa como parte da tese de doutorado no grupo de trabalho do Prof. W. A. ​​Schulz, no laboratório de pesquisa da clínica urológica do Prof. R. Ackermann, Universidade Heinrich-Heine, Alemanha. Pós-doutorado no grupo de pesquisa júnior "Imunidade Natural" do PD Dr. Markus Uhrberg, do Instituto de Diagnóstico de Transplantes e Terapêutica Celular, pelo Prof. P. Wernet, Universidade Heinrich-Heine, Düsseldorf, Alemanha. Chefe do Laboratório Central de Pesquisa em Epigenética do Instituto de Diagnóstico de Transplantes e Terapêutica Celular (Diretor de Comunicações, Dr. J. Fischer). Habilitação em medicina molecular na Universidade Heinrich-Heine, Düsseldorf, Alemanha. Título de “Professor”, Universidade Heinrich-Heine, Düsseldorf, Alemanha.


In Memoriam

Prof. Dr.
Rolf Ackermann

Prof. Dr. Rolf Ackermann, falecido em 11 de fevereiro de 2015. Estudou e teve prática clínica e científica na Alemanha e nos Estados Unidos. Foi um mestre fundamental e instrumento para tornar a urologia alemã visível além das fronteiras do mundo de língua alemã na era pós-Segunda Guerra Mundial.